quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O poeta Raul Minh'alma colocou ontem uma questão na sua página do facebook: É possível amar alguém por quem nunca nos tenhamos apaixonado?

Deixo-vos a minha opinião

Acredito que seja possível entre duas pessoas que se conhecem, dois amigos por exemplo. Aqueles amigos que fazem muitas coisas juntos, que desabafam, que riem, choram e estão sempre lá e pensam muito um no outro, podem começar a sentir outro sentimento que não a amizade inicial. Vem aquele amor calmo e sereno, mas que também pode dar borboletas no estômago quando assumem o sentimento novo e se deixam levar. E desejo que sim! Porque essa sensação é tão boa 💗 

E vocês? como responderiam ao poeta?


Raul Minh'alma
https://www.facebook.com/raulminhalma/
Instagram: @raulminhalma
Snapchat: raulminhalma

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

É tão simples

Sentada no metro observando. 
Olhares perdidos nos telemóveis, nas janelas que dão para o escuro de um túnel que os leva sempre para os mesmos caminhos. 
De repente, olhares que se cruzam. 
Um impasse. 
Os olhos já trocam sorrisos, mas os lábios teimam em manter aquele traço rígido, de quem se viciou em mostrar desapego por quem segue no banco da frente. 
Até que um sorriso teimoso surge e, naquele instante, duas almas seguem muito mais felizes num caminho que de repente ficou mais claro. 

É tão simples :) 


terça-feira, 22 de novembro de 2016

É isto...

"E talvez o medo disso virar realidade é o que trava, ou aquele vício de mostrar desinteresse – que já se tornou tão comum – ainda é mais forte do que o medo de sair da zona de conforto."

Bom dia e larguem o vício e se o sentem, digam-no!

domingo, 20 de novembro de 2016

Desabafo numa tarde de chuva

Às vezes penso que não sou deste mundo. Que devo ter caído de uma qualquer nave espacial. Acreditar nas pessoas e no amor que podem sentir pelo outro parece que soa a ridículo aos olhos de por quem cá vive… digam-me vocês o que acham?
No outro dia em conversa num grupo de amigos ouvi uma das pessoas dizer que aos 40 já não há aquela coisa de se estar apaixonado. De nos deixarmos ir por sensações ou sentimentos ridículos da juventude.
Deve ser uma das maiores parvoíces que ouvi e naquele momento calada pensei… que ridícula me pareces tu. Ridícula e triste.
Dizia ainda que as pessoas a partir de uma certa idade deixam-se ficar com aquela pessoa porque se sentem acompanhadas e por medo da solidão. Por sentir que falharam e precisam de alguma forma provar aos outros e a si que são capazes de ter um relacionamento.
Pensei… sim, de certo acontece com muitas pessoas, mas não tem que ser assim. 
Estar com alguém porque o medo de ficar sozinho é superior à sensação vazia de não ter aquela pessoa que nos preenche, é o pior que pode acontecer. A ti e a quem está contigo.
A vida deve ser vivida em pleno e não por arrasto. Tens esse direito e a pessoa que contigo está também o tem.
Estar sozinho pode ser a melhor forma de te encontrares. Talvez seja o que te faz mais falta. Não é teres alguém. É saberes viver contigo e gozares o bom que a vida tem para oferecer. É te apaixonares por ti. 
E, se por um acaso, te cruzares com alguém que te faça sentir aquelas emoções ridículas que a minha amiga referiu naquele dia, lembra-te do que eu digo, não fujas e não as escondas.
São as melhores sensações do mundo!
Estarei errada?

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

c'marie

Eu já tenho a minha obra de arte!
E espero que o mundo veja o seu talento :)
Visita o merc'art (Mercado da Ribeira, Lisboa), até dia 8 de dezembro!



Entrevista a Constança Bettencourt (c'marie)
http://www.maxima.pt/lifestyle/detalhe/mercart_a_primeira_galeria_suspensa_de_lisboa.html


Album 'um artista também come ' - originais


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Aos professores

Eu não sou professora. Mas tenho muito orgulho em vários professores que tive. 
Mais do que uma profissão, o ser-se professor deve ser encarado como um modo de vida. 
A profissão com a maior das responsabilidades já que a partir dos seus ensinamentos são formados profissionais como por exemplo aqueles que nos salvam a vida ou nos regulamentam as leis, entre tantos outros fundamentais à nossa existência. 
Um professor deixa marcas na nossa vida e interfere na formação do nosso carácter. 
Deveria ser mais respeitado. 

Não sou professora mas tenho muito orgulho em ti, que és!