quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Adeus ano velho. Feliz ano novo!

2016 está a terminar … já cheira a fogo de artifício, a festa, a abraços e para muitos a lágrimas.

Supostamente estamos naquela altura do ano que nos leva a refletir sobre o que vivemos nesse ano e a vida toda até então.

Sinceramente nunca tinha sentido tanto a necessidade de o fazer, talvez para evitar a confrontação com a realidade que vivia, não sei bem.

Porém este ano sinto-me diferente. E talvez porque nunca me dá o sono e contar carneiros já não me ajuda nas minhas insónias, sobrou o refletir sobre o que foi o meu 2016.

Foi um ano de mudanças bruscas. Um ano de saudosismo, ruturas e de dor. Muita dor. Não pelo ano em si, mas por ser o reflexo de tantos anos passados deixarem de fazer sentido em algumas nuances.  A nível pessoal, mas também profissional. Foi aquilo a que se chama bater no fundo.

Confesso que muitas vezes nestes anos e sobretudo nos primeiros meses deste, não consegui perceber "ca" raio fazia cá e senti muitas vezes não fazer falta a ninguém. E se há sensação que adoro e que me alimenta é sentir que posso preencher e alegrar o dia de alguém, um pouquinho que seja, com a minha presença.

Não me interpretem mal, sei perfeitamente que tenho 2 filhos lindos, que amo incondicionalmente, seres humanos maravilhosos. Foi muitas vezes a pensar neles que me mantive à tona.

Os meus pais e os meus manos foram também eles sem saber, os meus pilares muitas vezes. Porque o amor que sinto por eles e a força que têm para viver mesmo depois de tudo o que passaram na vida, fez-me querer ficar deste lado.

Por outro lado, o inscrever-me na Universidade Aberta em 2012 foi uma força que veio não sei de onde e a melhor coisa que me podia ter acontecido naquela altura. Permitiu-me abrir as cortinas que teimavam fechar. Cresci enquanto pessoa. Conheci pessoas maravilhosas e que mesmo sem fazerem ideia do que eu passava, foram a minha fonte de energia, juntamente com a minha família.

A mudança deste ano. Brusca. Não fui eu quem a provocou. Devo-a a alguém. Mais corajoso que eu? Agora vejo que sim. Agradeço a sua coragem. E terminar o ano sem mágoa é a maior alegria que sinto neste momento.

Mas 2016 não foi só rutura e dor. Transformou-se num ano de descoberta. Tem sido uma descoberta do eu e das rugas que me suportam. Descobrir que ainda tenho tanto para viver e sobretudo para dar! Que bom! É isto que eu sou, uma dada! 😍
   
Obviamente não posso deixar de falar em ti. Apareceste inesperadamente e despertaste em mim emoções que me encheram o coração e me fizeram feliz. 
És um ser humano muito especial com Valores que andam esquecidos neste mundo que é tão bonito de se viver, mas que há pessoas que teimam em fazê-lo da treta.
Gosto muito de tu :)

Li algures hoje que a palavra emoção tem a sua origem no verbo latim emovere que significa mover.

Sendo assim para 2017 desejo a todos que se deixem "emovere”.

MOVAM-SE pelo amor da Santa! EMOCIONEM-SE!

Só assim faz sentido viver :)

Paula

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

O poeta Raul Minh'alma colocou ontem uma questão na sua página do facebook: É possível amar alguém por quem nunca nos tenhamos apaixonado?

Deixo-vos a minha opinião

Acredito que seja possível entre duas pessoas que se conhecem, dois amigos por exemplo. Aqueles amigos que fazem muitas coisas juntos, que desabafam, que riem, choram e estão sempre lá e pensam muito um no outro, podem começar a sentir outro sentimento que não a amizade inicial. Vem aquele amor calmo e sereno, mas que também pode dar borboletas no estômago quando assumem o sentimento novo e se deixam levar. E desejo que sim! Porque essa sensação é tão boa 💗 

E vocês? como responderiam ao poeta?


Raul Minh'alma
https://www.facebook.com/raulminhalma/
Instagram: @raulminhalma
Snapchat: raulminhalma

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

É tão simples

Sentada no metro observando. 
Olhares perdidos nos telemóveis, nas janelas que dão para o escuro de um túnel que os leva sempre para os mesmos caminhos. 
De repente, olhares que se cruzam. 
Um impasse. 
Os olhos já trocam sorrisos, mas os lábios teimam em manter aquele traço rígido, de quem se viciou em mostrar desapego por quem segue no banco da frente. 
Até que um sorriso teimoso surge e, naquele instante, duas almas seguem muito mais felizes num caminho que de repente ficou mais claro. 

É tão simples :) 


terça-feira, 22 de novembro de 2016

É isto...

"E talvez o medo disso virar realidade é o que trava, ou aquele vício de mostrar desinteresse – que já se tornou tão comum – ainda é mais forte do que o medo de sair da zona de conforto."

Bom dia e larguem o vício e se o sentem, digam-no!

domingo, 20 de novembro de 2016

Desabafo numa tarde de chuva

Às vezes penso que não sou deste mundo. Que devo ter caído de uma qualquer nave espacial. Acreditar nas pessoas e no amor que podem sentir pelo outro parece que soa a ridículo aos olhos de por quem cá vive… digam-me vocês o que acham?
No outro dia em conversa num grupo de amigos ouvi uma das pessoas dizer que aos 40 já não há aquela coisa de se estar apaixonado. De nos deixarmos ir por sensações ou sentimentos ridículos da juventude.
Deve ser uma das maiores parvoíces que ouvi e naquele momento calada pensei… que ridícula me pareces tu. Ridícula e triste.
Dizia ainda que as pessoas a partir de uma certa idade deixam-se ficar com aquela pessoa porque se sentem acompanhadas e por medo da solidão. Por sentir que falharam e precisam de alguma forma provar aos outros e a si que são capazes de ter um relacionamento.
Pensei… sim, de certo acontece com muitas pessoas, mas não tem que ser assim. 
Estar com alguém porque o medo de ficar sozinho é superior à sensação vazia de não ter aquela pessoa que nos preenche, é o pior que pode acontecer. A ti e a quem está contigo.
A vida deve ser vivida em pleno e não por arrasto. Tens esse direito e a pessoa que contigo está também o tem.
Estar sozinho pode ser a melhor forma de te encontrares. Talvez seja o que te faz mais falta. Não é teres alguém. É saberes viver contigo e gozares o bom que a vida tem para oferecer. É te apaixonares por ti. 
E, se por um acaso, te cruzares com alguém que te faça sentir aquelas emoções ridículas que a minha amiga referiu naquele dia, lembra-te do que eu digo, não fujas e não as escondas.
São as melhores sensações do mundo!
Estarei errada?

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

c'marie

Eu já tenho a minha obra de arte!
E espero que o mundo veja o seu talento :)
Visita o merc'art (Mercado da Ribeira, Lisboa), até dia 8 de dezembro!



Entrevista a Constança Bettencourt (c'marie)
http://www.maxima.pt/lifestyle/detalhe/mercart_a_primeira_galeria_suspensa_de_lisboa.html


Album 'um artista também come ' - originais


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Aos professores

Eu não sou professora. Mas tenho muito orgulho em vários professores que tive. 
Mais do que uma profissão, o ser-se professor deve ser encarado como um modo de vida. 
A profissão com a maior das responsabilidades já que a partir dos seus ensinamentos são formados profissionais como por exemplo aqueles que nos salvam a vida ou nos regulamentam as leis, entre tantos outros fundamentais à nossa existência. 
Um professor deixa marcas na nossa vida e interfere na formação do nosso carácter. 
Deveria ser mais respeitado. 

Não sou professora mas tenho muito orgulho em ti, que és! 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Reflexão da manhã


Hoje li um texto onde é referido que um bom copo de vinho pode ser um aliado quando algo corre mal. Uma forma de escape.

Quando algo me incomoda, de alguma forma me deixa triste ou sem chão, dou por mim a por os phones para ouvir uma música que me tranquilize naquele momento.

Nem sempre tenho um copo à disposição :) 

É preciso descobrir o que nos ajuda a vir à tona. E a ti? O que te conforta?

Bom dia!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Reflexão de hoje

"Tudo o que era ficou suspenso no silêncio de um pretérito demasiado imperfeito. "

E depois, quando pensas que já ultrapassaste, um instante apenas faz com que na tua boca venha de imediato o sabor amargo dessa imperfeição. 
Não aprendi ainda a lidar com determinadas situações ou atitudes. 
A arrogância é uma delas. Faz-me sofrer. 
Imaturidade? Talvez. 
Mas na realidade não sei se quero aprender. 
Continuo a preferir seguir o meu caminho na direcção oposta.

Bom dia!

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Reflexão do dia

As vezes a bagagem tem recordações que nos tolhem as asas. O que de menos bom vivemos (para não dizer mau) não nos deixa voar, porque o receio de cair de novo em queda livre é tremendo.

Bom dia!


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Praxe

"We are here to laugh at the odds and live our lives so well that death will tremble to take us." (Charles Bukowski)

"Andamos por cá para rir das probabilidades e viver nossas vidas tão bem que a morte vai hesitar em nos levar."

Porque a Praxe deve ser orientada SEMPRE para a essência que lhe é inerente: a integração do aluno. 

Voltei a ser Praxada como caloira infiltrada. 

Voltaria a sê-lo porque na minha Universidade, a verdadeira grandeza está na valorização da camaradagem, do apoio que se dá ao colega, na amizade e sobretudo no respeito ao colega enquanto indivíduo. Aos verdadeiros caloiros as minhas desculpas pelo sofrimento atroz que passaram por minhas caloirices ... é que sabem ... sou caloira e não penso :P





domingo, 9 de outubro de 2016

Traição não é um erro, é uma escolha

Não concordo muito com isto.
Por vezes poderá nem ser uma escolha. Não sei ...
Nunca digo desta água não beberei. Mas tenho a certeza de que se me acontecesse uma coisa dessas, falaria com a pessoa traída. Não só porque por egoísmo, pensarão alguns, precisava ter a consciência limpa, como pelo respeito que essa outra pessoa merece em saber a verdade.

E, por outro lado, só isso peço também.
Que me respeitem e me deixem decidir se dói ou não saber a verdade e o que fazer com ela



quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Nunca me identifiquei tanto com um texto...

...e acrescento, sem nunca pensar vir a dizer isto: obrigada por me teres deixado...

“É claro que senti saudades tuas. Sentia saudades tuas quando acordava e troquei muitas horas de sono por uma perseguição infernal às tuas redes sociais, só para te ver e saber que estavas bem.

É claro que sentia amor enquanto chorava agarrada à almofada e procurava maneiras de te fazer voltar à minha vida. É claro que senti que ia morrer. E morri. Morri no dia em que me deixaste.
(…) Deixei-me cair, não tive forças para te seguir. (…) Deixaste-me presa num buraco do qual não conseguia sair, sabes? (…) 

É claro que a tua ausência me doía todos os dias (…).

Como conseguiste seguir a tua vida se eu não conseguia sequer seguir a minha respiração? (…) Vivi para ti e para as saudades que sentia, vivia para ti e para a dor que sentia. (…).

Vivi para ti até que percebi que não havia ninguém a viver por mim.

Decidi ser feliz, e sou. Achas que não custou o percurso até aqui? 
Acredita que morri pelo menos dez vezes no caminho. 
Mas aprendi que o melhor da morte é renascer, (…).

Não é errado morrer, foi errado morrer por ti.

A tua vida continuou e a minha também. (…)

As saudades foram muitas, sabes? Mas percebi que não sentia saudades de ti, mas sim de mim! 

Por isso mudei a minha vida e deixei a dor de parte, fui à minha procura e quando me encontrei: foi o melhor momento de sempre. 

Também mereço ser feliz, desculpa!

De todas as vidas, escolho esta: sem ti, mas comigo!”

Frases extraídas de http://www.ela-e-ele.com/tambem-mereco-feliz-desculpa/

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Saudade

Sempre pensei na saudade como algo que provoca dor
Um sentimento que corta,
que faz o peito respirar por si só
em movimentos descontrolados,
numa tentativa desgovernada de aconchegar o coração.

Até que te conheci

A saudade que aperta no momento em que te vejo partir
A saudade que me consome em cada passo que dou ao vir-me embora
Não é dor
Não me corta
Faz-me sentir viva
Alimenta-me
Engrandece-me

Sou melhor por te ter conhecido.
Contigo sou uma pessoa mais bonita.

Paula

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Paizão ACABEI! :D

Não posso deixar de partilhar o meu sentir com todos aqueles que me acompanharam nesta caminhada.
Não vou falar das dificuldades que tive durante este percurso. Nãããã … 

Quero sim, partilhar convosco a alegria e a gratidão que sinto!

Passaram 3 anos a voar! 

Os meus homens e a minha mãezinha que estão sempre lá, sabem que são o mais importante da minha vida. Mesmo na ausência, eles estão cá no coração. E espero que os meus meninos percebam que É POSSÍVEL quando se quer muito. 

À família, amigos, colegas da secundária, colegas de trabalho, amigos facebocanos que sempre me incentivaram a cada passinho que dava, o meu MUITO obrigada! Sabia sempre bem sentir o vosso carinho 

A TODOS vós colegas “uabianos”, só tenho a agradecer o companheirismo e o apoio. 
Foram o meu alicerce. Sem vocês, num ensino como este em que a solidão é um obstáculo, teria desistido. 

Não posso deixar de referir um nome especial. Quando me dizem “Paula, tu mereces! Estás sempre pronta a ajudar todos os colegas!” Só me vem à memória o Antonio Jose Cabrita. Ainda nem tinha iniciado o ano letivo e já tinha o seu carinho e todo o seu apoio e foi com ele que aprendi que este tipo de ensino pode não ser solitário! Obrigada padrinho!!!!!! 

Em especial, dos meus padrinhos de Praxe e de curso … quero um abraço apertado!

Podia referir mais alguns nomes em particular. Aqueles que levaram mesmo comigo mais de perto … coitados! Mas eles sabem bem quem são ;)

Aos colegas que ainda não conseguiram terminar, deixo o meu carinho. Pensem que já só falta um danoninho. Está quase! Força! Eu estarei sempre disponível, para ajudar no estudo, para rir ou desabafar, para um cafezinho virtual ou pessoal :D

Aos que vão iniciar agora, peço-vos: não se isolem! Sempre que puderem, estejam nos eventos! Formem grupos de estudo pois assim sentir-se-ão mais acompanhados! Se tiverem vergonha aproximem-se de um colega. Será o primeiro passo. Pode ser de mim :P

Não posso deixar de partilhar esta minha alegria com os meus professores. Nem todos terão acesso a esta mensagem, mas a eles também devo de alguma forma, o meu sucesso. Professores como Ana Novo, Pedro Abrantes, Amílcar Martins, Ana Vasconcelos, Filomena Andrade, Paulo Silva, Paula Coelho, Pedro Serrano, Jose Bidarra, Glória Bastos, Mário Negas fazem toda a diferença!

Não referi o nome de um professor propositadamente. Este será sempre um amigo especial. Professor Carlos Castilho Pais MUITO OBRIGADA por toda a sua dedicação para com os alunos. Muito obrigada pela sua preocupação em criar laços que nos unem.

Finalmente a Universidade que me permitiu chegar até aqui. A Universidade Aberta (UAb). Esta é a Universidade que te permite cumprir o teu sonho. O teu objetivo académico. Crescer como profissional, como cidadão, mas sobretudo enquanto pessoa. 

Se estás aí com dúvidas, faz como eu. Arrisca! 
Vale mesmo a pena!

Paizão conclui a licenciatura!! 

Estou feliz. 

Sou uma pessoa mais sábia (deve ser por isso que estou mais gordinha também :P ), mas sobretudo, sou uma pessoa mais rica de Valores humanos e que leva consigo amigos para a vida.

Beijinhos e abracinhos! 


sábado, 24 de setembro de 2016

Minha mãe hoje faz anos.

Ser humano mais bonito que existe neste mundo. 
De uma pureza e simplicidade que deixa qualquer um desconcertado. 
Se somos como somos, temos os valores que temos, devemo-lo muito a esta GRANDE mulher. 
A sua vida não foi nada fácil, desde pequenita a trabalhar. Virou mulher guerreira. A mais lutadora que conheci durante toda a minha vida. 

Um dia gostava de a ver muito, muito feliz. Porque o merece. 

Parabéns minha mãe!

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Interiorização

Ter alguém do nosso lado, seja amor ou amizade, só vale mesmo a pena se for para nos acrescentar algo, para nos tornar melhores.
Insistir numa relação onde sentimos que nada acrescentamos ao outro é viver em constante angústia, a de que esse alguém descubra essa verdade que, no fundo, já sabemos não irá dar certo.

Por isso devemos caminhar no sentido de nos entregarmos a nós mesmos, sem pensar no outro primeiro. 
Se aquilo que somos e aquilo que fizermos agradar, tanto melhor. 

Seremos sempre o nosso porto de abrigo. Só não há amparo para quem se ausenta de si mesmo.

Bom dia :)

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Há muito que não escrevia ...

Sempre me foi mais fácil escrever do que falar. As palavras fugiam-me sempre para a ponta da caneta e dali para um qualquer papel perdido. 

No entanto, há muito que não escrevo... ou escrevia.

Hoje de manhã, numa viagem entre linhas metropolitanas, deu-me uma vontade louca de escrever. E saiu isto …

Um momento apenas e deixei de estar no mesmo lugar.

Não sei como aconteceu, 
Nem sei meu rumo certo. 

Sem pudor ou vergonha o digo...
que me entrego aos momentos e
vulnerável, deixo-me levar.

Sem medos me alimento deste amor
que me transforma a cada dia e me faz querer ser melhor. 

Um momento apenas e já não estou no mesmo lugar.

Não sei se é o caminho certo... 

Sei sim, 
para onde não mais voltar.


sábado, 10 de setembro de 2016

E como vês a pessoa que está ao teu lado?

O meu coração, no que diz respeito às emoções, acredita sempre nas pessoas e, mesmo que sem dar por isso, vê sempre o lado bonito de cada um.
Não quero perder isso! 

Por isso sim, amo pessoas e acho que cada um tem sempre algo de belo ;)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

sexta-feira, 22 de julho de 2016