terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Eu gosto de …

… psicologia!
Para dizer a verdade a psiquiatria é que sempre me fascinou. A descoberta do cérebro e do que mais de profundo ele possa mostrar.
Mas, cedo descobri que para este curso precisava estudar medicina … aí não houve volta a dar. Hospitais para mim, só mesmo se for obrigada! Com o passar dos anos e situações vividas então, é que o sabor amargo me faz querer distância.
Outra ideia que sempre me passou por esta cabecinha sonhadora seria a de ser um profiler e ser chamada quando precisassem de um psicólogo para descobrir um assassino. Acho incrível poder estudar e descobrir o perfil de determinado indivíduo. Mas, fiquei-me mesmo por fazer vezes sem fim da minha casa, um consultório para os amigos que precisavam!;

… dançar!
Quando era miúda perdia-me a criar coreografias para que eu e as minhas amigas (algumas já bufavam de tédio) a seguíssemos cem vezes a fio e sem falhas.
Durante muito tempo pensei que seguiria dança.
Adorava dança jazz, como naquela série Fame, onde podia ver alunos com a mesma paixão que eu, seguir o seu sonho.
Por circunstâncias da vida, nunca estive numa escola dessas, nem segui esse sonho.
Mas sempre que posso danço, seja na banheira, seja na cozinha, seja com as minhas amigas ou até mesmo sozinha J;

… cantar!
Canto português, canto inglês, canto o que calhar!
Tenho pena que a vergonha não me permita mostrar aos outros o quanto gosto de o fazer. Até acho que não o faço muito mal, mas o raio do nó que se me põe nas goelas é mais forte e comprime a voz de tal maneira que prefiro fugir do que cantar em público!;

… tocar piano!
Mas … mais uma vez, nunca tive aulas.
Faço-o sem perceber ou compreender pautas e sem saber sequer que notas estou a tocar L.
Apenas adoro tentar descobrir as teclas que me levam a tocar a música que toca na rádio, mesmo que seja apenas com uma mão … porque não consegui descobrir ainda como raio conseguem eles coordenar as duas mãos!;

… estar num café com os meus amigos!
Mas a vida, com tanto corre, corre, ajudou a criar obstáculos que se foram pondo à frente e transformando aquele que era um prazer, num dos pontos de uma lista imensa de coisas por fazer. O jantar da minha Escola de madeira aguçou esta minha saudade J.

Não sei que o me deu para escrever estes textos. Acho que é por estar mais perto dos quarenta!
Olho para trás e, se realmente tenho dois filhos lindos de que tanto me orgulho, começo a sentir necessidade de mostrar-lhes que devemos fazer tudo por tudo para realizar os nossos sonhos.
E, olhando para alguns dos meus … até nem deve ser assim tão difícil faze-lo!
Vou contrariar esta nuvem cinzenta de crises que paira no ar e vou dizer que:  2011 parece-me um bom ano para começar a realizar sonhos J

O que acham?

sábado, 15 de janeiro de 2011

Cartas que valem mais que qualquer palavra dita

Hoje apeteceu-me abrir um pequeno baú onde guardo as minhas recordações de sempre.
Volta e meia sinto necessidade de o fazer. Está cheio de energias que me alimentam, através das cartas, postais, mimos, repletos de palavras daquelas que se registam num papel e que ficam para sempre.
Hoje procurava por um envelope, já amarelecido, cuja letra redonda de menina doce, leva-me sempre a lembrar, aquela que viria ser a minha melhor amiga.
Ao abri-lo, revi uma carta, escrita por ela, a 27 de Janeiro de 1990, às 23h05, com um texto de Ehrman Werner (julgo ser assim), texto este que a acompanhava nas alturas menos boas da vida e, como minha amiga que era já na altura, quis partilha-lo comigo.
Dizia ainda na carta que eu, mesmo sem saber, seguia já os passos descritos pelo autor.
Eu não sei se os seguia. Talvez a amizade que sentia por mim a fizesse ver-me com uns olhos diferentes e grandiosos.
Sei sim, que muitas e muitas vezes li aquele texto e tentei segui-lo.
Não foi fácil, não é fácil … faz muito tempo que não me lembrava sequer dele.
Hoje mais uma vez senti necessidade de relê-lo.
Para além disso, senti necessidade de partilha-lo convosco:

“Vai serenamente por entre a agitação e a pressa
e lembra-te da paz, que pode haver no silêncio;
Sem te baixares, mantém-te tanto quanto possível
em boas relações com todos;
Diz a tua verdade, serena e calmamente e escuta com atenção os outros,
mesmo que menos dotados ou ignorantes. Também eles têm a sua história;
Evita as pessoas barulhentas e agressivas, são mortificações para o espírito;
Se te comparas com os outros podes tornar-te presunçoso e amargo,
porque haverá sempre pessoas superiores ou inferiores a ti.
Alegra-te com as tuas realizações tanto com os teus projectos;
põe todo o interesse na tua carreira, ainda que ela seja humilde,
é um bem real nos destinos mutáveis do tempo;
Usa de prudência nos teus negócios, porque o mundo está cheio de astúcia,
mas que isto não te cegue a ponto de não veres a virtude onde ela existe;
Muitas pessoas lutam por altos ideais e em todo o lado a vida está cheia de heroísmo.
Sê tu mesmo!
Sobretudo, não simules afeição, não sejas cínico em relação ao amor,
porque em face da aridez e do desencanto ele é perene como a relva;
Acolhe carinhosamente o conselho dos anos,
alargando com graciosidade as coisas da juventude.
Educa a fortaleza de espírito, para que te salvaguardes numa inesperada desdita,
mas não te atormentes com fantasias. Muitos medos surgem da fadiga e da solidão.
Para além da disciplina são, sê gentil contigo mesmo.
Tu és um filho do universo e tal como as coisas e as estrelas, tens direito de o habitares.
Portanto, vive em paz com Deus, seja qual for a ideia que dele tiveres
e quaisquer que sejam as tuas lutas e privações, a ruidosa confusão da vida.
Guarda a paz contigo mesmo.
Com toda a sua falsidade, escravidão e sonhos desfeitos,
o mundo ainda é maravilhoso.
Luta para seres feliz! ”

A vida é um corre, corre que nem sempre permite que estejamos juntas.
Mas é claro que estás sempre no meu coração e, mesmo sem falarmos nas alturas difíceis, a tua carta vale mais que qualquer palavra dita.
Um grande, grande beijo amiga de e para sempre.
Afinal, após tantos anos ... quem sempre seguiu grande parte destes caminhos foste tu amiga (sei disto e estou de olhos fechados!).

Ah! Desculpem, para vocês que não sabem, esta amiga do coração chama-se Julieta J